Vida & Morte !?... Se eu pudesse escolher como morrer...

Sabe qual a única certeza que você pode ter sobre a vida?
É que um dia ela acaba.

Sem menções apocalípticas, nem sensacionalismos baratos, tampouco dogmatismos religiosos, uma coisa é certa: o ser humano é um ser mortal e isso não é nem bom, nem ruim... é apenas um fato!

A morte tem sido vista há séculos como um momento de angústia, dor, sofrimento, perda e temor.

Mas, então, por que temer a morte se é a única certeza que temos após nascermos?
Por que temer aquilo que é o destino inevitável de todos os seres vivos?
Por que sofrer quando este momento tão certo e tão indubitável abraça alguém que nos é quisto?
Por que viver na ilusão de que esse momento nunca chegará para quem está ao nosso lado?

Atenção!
A morte é um momento mágico, quando temos os portões de nossa casa abertos em um estágio evolutivo maior...
A morte é a conquista de mais um degrau, é a recompensa pelo maravilhoso período de vida terrestre, onde estamos confinados num invólucro limitante de nossas potencialidades.
A morte é uma fase, uma passagem, um retorno...

Mas se tão boa é a morte... por que não a aproximamos?
Por que não trilhamos um atalho mais rápido ao seu alcance, ao invés de ficar empurrando a vida até encontrá-la?

Isso seria destruir a arte!

A arte de morrer em paz é ter expressado tudo o que se poderia expressar em vida! É ter manifestado todas as competências que se pudessem manifestar, superando os fardos limitantes da sociedade caótica e patológica! É ter, de todas as formas possíveis, apoiado a jornada do maior número de pessoas para, enfim, morrer sem o remorso de achar que poderia ter feito mais, sem carregar consigo o sentimento de inveja daqueles que fizeram mais do que você, sem o arrependimento de ter perdido momentos importantes na vida...

Morrer, então, é a consagração do final de uma fantástica jornada de inúmeras conquistas e inesgotáveis vitórias, em que cada dia deve ter sido excepcional, esplendoroso, estonteantemente extraordinário!

Morre bem quem viveu plenamente! Quem aproveitou todos os milésimos de segundos da vida!

"Então, viva como se a morte não existisse, mas esteja preparada(o) para morrer amanhã."

Estar preparada(o) é ter feito tudo hoje, sem deixar nada para amanhã! É ter, como que por encanto, transformado cada momento simples num momento inesquecível, num momento que será guardado nos corações daqueles que ao seu lado estiveram seja o tempo que for.

Pois saiba que é isso que você deixará: Momentos...

Fortuna se esvai, luxo perde o sentido, o que fica são as agradáveis lembranças dos fantásticos momentos compartilhados, quando aprendemos o valor da vida e o valor da evolução, do equilíbrio, da alegria, do amor, da harmonia.
Ficam as lembranças...
das festas,
dos sorrisos,
dos beijos,
dos abraços,
dos amassos,
dos olhares,
das paqueras,
das realizações,
dos sucessos,
dos ensinamentos,
das ajudas,
dos momentos plenos!

Eu vim aqui para viver plenamente e conquistar meus sonhos dia após dia!
E você?...

Aconteça o que acontecer,... mais cedo ou mais tarde... a morte chega para todos... Assim tem sido e assim sempre será! É a feliz sina mimética de todos os seres que um dia sentiram o sopro da vida!...

Se eu tivesse a oportunidade de escolher como morrer...
Escolheria morrer sentindo que sempre tive a vida em minhas mãos e nunca pude fazer mais do que tudo aquilo que eu fiz... Porque assim saberia que fiz tudo!
Escolheria morrer com a sensação de plena conquista de todos os dias da minha vida!!! Pois é assim que vivo e é assim que vou morrer!...

Nada menos que isso importa!

Faz sentido?

Como Lidar com O CONTRARIADOR?!


Um CONTRARIADOR é aquela pessoa que responde tudo com conjunções adverstivas...

Em outras palavras, esse tipo de pessoa sempre fala em termos de 'mas', 'porém', 'todavia', 'contudo', 'no entanto'. Uma conjunção (termo que liga duas frases) é adversativa quando o que vier depois for adversário (contrário) do que veio antes.

Se alguém diz que foi à feira comprar banana E trouxe maçã, podemos concluir que ele foi à feira e tenha voltado com banana mais maçã (as duas coisas). Diferente disso, se ele disser que foi à feira comprar banana, MAS trouxe maçã, então não resta dúvidas de que ele não comprou banana e somente voltou com maçã. O "mas" invalidou e anulou a primeira frase. Isso é o que uma conjunção adversativa faz. Ela faz com que as frases se tornem adversárias, uma contraria à outra.

Um contrariador vive como uma conjunção adversativa!

Essa pessoa sempre está contrária a tudo o que falam a ela. Ela vai sempre querer invalidar os outros. O mais interessante é que ela realmente acredita que são os outros que estão contra ela!

As principais emoções que fazem uma pessoa ser contrariadora são: chateação, antagonismo, ressentimento, tédio, enfado, dúvida e as suas derivações. O humor é sempre jocoso e tem o objetivo de invalidar alguém...

Você lhe entrega um relatório e a pessoa diz: "Mas não está bom."
Você dá uma ideia e ela diz "Mas não vai funcionar."
Então você pede uma ideia e ela diz que você é que deveria dar uma ideia.

Já viu alguém assim?

Como você se sentiria se, ao apresentar algo para uma pessoa, ela somente dissesse coisas como "mas não é isso que eu pedi" ou "mas assim não funciona"?

Alguns têm me dito que se sentiram frustrados ou irritados. Outros me dizem que achariam que a pessoa não deu atenção ou que nem se interessou pelo que estava sendo apresentado.

Se ela sempre é do contra, como lidar com uma pessoa assim?...

Antes de mais nada...
NÃO SEJA ASSIM!
Não é bom causar essas sensações nas pessoas. O resultado é sempre um distanciamento.
Então não aja assim!
Não seja um contrariador crônico!

Quando alguém for lhe disser algo, antes de dar sua opinião, questione basicamente 3 coisas:
1. Quais os propósitos daquilo;
2. O que faz com que a pessoa tenha dito ou apresentado aquilo;
3. O que a pessoa espera de você.

Com isso você terá mais dados para se relacionar com as pessoas sem ser somente um contrariador.

Ainda resta a questão:
Como lidar com o outro se ele é um contrariador?

Primeiro de tudo: pare de se frustrar!
A frustração ocorre quando temos uma expectativa e ela não é cumprida.
Se você já sabe que a pessoa é uma contrariadora, não crie a expectativa de que ela terá um comportamento diferente do que apresentar conjunções adversativas. Essa pessoa vai querer dizer que você errou. Ela vai ficar invalidando suas ações.

Entenda que é isso que vai acontecer!
Talvez voce possa pensar que não é assim que voce queria que fosse. Eu entendo isso e tem um monte de coisas que eu queria que fossem diferentes... E quer sabe!? Elas continuam sendo como são!... O dia sempre teve e provavelmente sempre terá 24 horas, eu sempre tive e sempre terei que dormir, apesar de algumas vezes não querer (só que o sono sempre aparece). Enfim, algumas coisas nós controlamos e outras nos controlam, restando a possibilidade de se adaptar à situação com relação a isso.

Demonstre atenção.
Para ter a atenção do contrariador (e seu apoio), sempre que ele lhe contrariar diga algo como "entendi", "percebo", "ah interessante" e logo em seguida pergunte "o que te faz me dizer isso?" ou "qual o motivo de você achar isso?" ou "fale-me mais sobre essa sua opinião."
Isso força o contrariador a refletir sobre o que disse.

Seu próximo passo deve ser muito bem pensado...

Importante:
Você nunca deve pedir ou forçar um contrariador a lhe dar uma DECISÃO. Porque, nesse nível emocional, isso raramente será possível. Um contrarioador vive num eterno conflito, imerso num turbilhão de dúvidas e incertezas...

Se você perguntar como ele faria algo ou como resolveria uma questão. Na maioria das vezes o contrariador não terá uma resposta imediata e tentará 'enrolar' com um discurso eloquente.

Cuidado, pois a tendência lógica é um contrariador ficar raivoso com essa situação e descontar em você!

Então prefira não dizer nada, ou se quiser resolver uma situação, diga algo como: "Eu tenho algumas ideias a compartilhar contigo. Pode ser?" - lembre-se de perguntar se pode, pois isso puxa a atenção do contrariador.

Agora faça perguntas condicionais, do tipo "E se ...?" Completando com os benefícios das suas ideias.
Exemplo: "E se fosse possivel ter ____ feito ainda hoje, seria bom?"

Lembre-se, não fale da sua ideia, apenas dos beneficios dela. Um benefício pode ser algo bom que ele vai ganhar com isso ou algo ruim que ele vai evitar com isso.

Após algumas poucas perguntas (poucas porque os contrariadores raramente são pacientes com os outro), diga que a sua ideia é baseada nesses benefícios. Com a curiosidade, o contrariador, agora sim vai lhe permitir que apresente a sua ideia.

Trabalhe com duas opções...
Outra opção é lidar com duas opções. Você apresenta duas opções ao contrariador:
- Uma sendo absolutamente ruim a ele (mas ainda assim uma opção válida);
- A segunda opção sendo aquela que você quer que ele escolha.

Como um contrariador raramente decide algo, ele não vai criar uma terceira opção e nem vai escolher uma das suas.
O que vai acontecer é que ele vai descartar a opção ruim e, com isso, só sobra uma escolha para ele!
Mas isso só funciona com um contrariador.

Não rotule!
Lembre-se que, em se tratando de emoções, uma pessoa não é, ela está...
Nós flutuamos pelas emoções e, muitas vezes, mesmo sem querer, ficamos contrariadores também.
Então, não rotule. Verifique como uma pessoa está. Se ela estiver chateada, com dúvidas ou invalidando os outros, ela está neste nível emocional.

Não acredite no que está escrito aqui.
 Sua crença nisto não vai resolver a situação. Ao invés disso, teste, experimente, faça isso. Tenha suas proprias experiencias.

Resolver as situações e ter bons relacionamentos é o que nos conduz ao sucesso!...
Nada menos que isso importa!

Faz sentido?

Perca o MEDO de ser FELIZ !!!



Sabe qual é o maior vilão da felicidade?

O MEDO!

Sabe-se que certa vez um cientista colocou um ratinho numa gaiola. Depois de passear um pouco e fazer o reconhecimento do novo ambiente, o ratinho foi em direção ao alimento. Ao tocar no prato o ratinho levou um choque tão forte que se não desistisse de comer poderia chegar a morrer. O cientista tinha instalado um circuito elétrico no prato.
Obviamente o ratinho correu para o sentido contrário ao alimento. É claro que o rato tinha fome, mas a dor do choque o fez desprezar o alimento. O ratinho foi, então, encarando uma "faca de dois gumes": morrer de fome ou morrer de choque?...
Lentamente o ratinho começou a ir em direção ao alimento. A partir desse momento, o pesquisador desligou o circuito para que o ratinho pudesse se alimentar. No entanto, quando o ratinho chegou perto do prato, o seu medo de levar outro choque ficou tão grande que ele acabou desenvolvendo a sensação de um segundo choque.
O ratinho acreditava na dor que o prato poderia causar...
Ninguém o avisou que não havia mais o perigo do choque.
Apesar do ratinho gostar e precisar do alimento, o trauma do choque o fez fugir dele. Se empurrássemos o prato em direção ao ratinho, ele seria até capaz de ter uma parada cardíaca devido ao excesso de adrenalina produzida pelo medo do choque.

A grande questão aqui é:

Quantas vezes você tomou um choque sem sequer tocar no prato?

Quantas vezes você teve vontade de convidar alguém para sair, para apenas conversar, para ir à praia, cinema, bar e não o fez, temendo uma reprovação?
Quantas vezes você sentiu a rejeição sem ao menos ter tentado?
Quantas vezes não ofereceu o produto mais caro ao seu cliente temendo um "não"?

Sim! A maioria das pessoas tem medo de ser feliz...

"Aquele que teme sofrer já está sofrendo pelo que teme..."
(Michel Eyquem de Montaigne)

Quantas vezes você se apaixonou sem que a outra pessoa jamais soubesse do seu amor?
Quantas vezes você abandonou alguém, com medo de ser abandonado(a) antes?
Quantas vezes você sofreu sozinho, com medo de pedir ajuda e ficar "dependente" de alguém?
Quantas vezes você perdeu um excelente negócio, por medo de fracassos anteriores?
Quantas vezes você se afastou de um grande amor, com medo de se comprometer?
Quantas vezes você perdeu o sono com medo do resultado de um exame do médico?
Quantas vezes você fugiu do amor por medo de perder o controle de sua "liberdade"?
Quantas vezes você deixou de viver um grande amor com medo de sofrer de novo...
Quantas vezes você tomou um choque sem sequer tocar no prato?

Então pare de agir como um ratinho!!! 
Pare de temer o prato que está com o circuito desligado! Arrisque! Tente!
 
Lembre-se: Não arriscar é arriscar ainda mais!

Você tem duas escolhas: TENTAR ou viver eternamente na INCERTEZA!!!

É melhor se arrepender de ter fracassado do que se arrepender de nunca ter tentado!

"Todos, de vez em quando, enfrentamos mágoas e fracassos.
Todos, de vez em quando, passamos por embaraços.
E todos tememos o risco de amar.
Sugiro uma regra simples:
Se acharmos que dá para agüentar o pior, vale a pena arriscar!
"
(Joyce Brothers)

Medo é um sentimentos que aprendemos. Desenvolvemos medo a partir de experiência desagradáveis ou a partir da incerteza daquilo que não conhecemos.

Então se você aprendeu a sentir medo,... aprenda a não sentir mais medo de amar! 
Ame a vida!
Ame seu talento!
Ame suas competências!
Ame seu sucesso!
Ame seu aprendizado!
Ame você!
Ame os outros!

Nada menor que isso importa!

Faz sentido?

Limitador da sua evolução: O APEGO!

Sabe qual o sentimento que te impede de evoluir?


O APEGO!!!



"Numa certa tarde de verão, três homens que estavam numa floresta ao sul do Canadá, deixaram o acampamento para uma caminhada e deixaram a panela cheia de comida sobre o fogareiro. O cheiro da comida quente atraiu um grande urso que, faminto, não hesitou em agarrar a panela e começar a se deliciar com a comida. Em poucos segundos, o urso percebeu que seu peito estava ardendo e achou que algo estava tentando tirar a panela dele. Achou que algo estava tentando tirar sua comida. Com fome, o urso não queria soltar a panela. Ele não queria que levassem sua comida e agarrou a panela mais forte. Quanto mais ele agarrava a panela, mas queimava seu peito... No final da tarde os três homens voltaram ao acampamento e encontraram o urso recostado numa árvore, morto. Mesmo morto, o urso estava abraçado à panela, com uma expressão de dor e medo. O urso não percebeu que a panela estava queimando seu peito. Ele não notou que deveria abrir mão da panela para sobreviver."


Quantas vezes você ficou (ou ainda está) agarrando uma panela que está te matando?
 
Quantas panelas você carrega no peito, com medo de soltá-las, achando que somente alí está a sua comida?


Pare de agir como o urso!


Liberte-se das panelas! Jogue fora aquilo que está te queimando!!!
Livre-se de sentimentos que te queimam por dentro...
Livre-se das pessoas que fazem seu peito arder de dor...
Livre-se do medo de arriscar procurar "alimento" em outro lugar...
Livre-se dos seus comportamentos que só fazem ferir sua alma...


Solte a panela! Pare de ter apego!!!


Aprenda uma coisa: Tudo passa!
Amigos vêm e vão...
Romances começam e até podem acabar...
A própria vida um dia se irá...


Pare de achar que sua vida não será mais nada e você não será mais ninguém...
... se uma amizade acabar;
... se um romance acabar;
... se alguém morrer;
... se você perder o emprego;
... se seu time perder;
... se você envelhecer;
... se você engordar;
... etc...


Comece a viver intensamente cada minuto da sua vida!


Respeite as pessoas, cuide das coisas, mas aproveite a vida hoje!


O apego às coisas e pessoas coloca você numa prisão sem grades.
O apego impede que você tente algo novo. Só experimentando algo novo é que você conseguirá achar algo melhor!
O apego cria uma barreira para você trocar uma coisa por outra melhor.
O apego faz surgir o medo do novo em você.
O apego trava sua evolução!


Aproveite as pessoas enquanto estiverem ao seu lado!
 
Aproveite as coisas enquanto elas existirem!
 
Aproveite os momentos enquanto eles acontecem!


Não queira prolongar um único instante no tempo... deixe o tempo correr e permita que a vida lhe traga novas experiências!

Solte as panelas!... Viva o que se há para viver!!! Nada menos que isso importa!

Faz Sentido?