Seu ego ainda vai te matar!

A gigantesca enormidade da maioria das pessoas faz com que tudo gire em torno de si. E justamente por isso, a frustração aumenta enquanto os prazeres diminuem...

Vejo muitas vezes uma pessoa ao escutar o desabafo de um amigo que passa por algum problema, interrompe-lo para contar seu próprio problema ao invés de oferecer ajuda a ele. E veja que a ajuda poderia ser apenas escuta-lo e entende-lo!
Chega a ser, por vezes, cômico se não fosse trágico, uma aparente disputa de quem tem o pior problema ou sofre mais.

Muito se fala de aprender com o erro dos outros. Eu concordo. Mas no momento em que escutamos o que de ruim aconteceu com o outro, o melhor seria oferecer uma solução ou, no mínimo, compaixão, ao invés de tão somente ocupar-se em tentar tirar uma lição para a própria vida.

Vejo este "pensar somente em si" até nas coisas menores, como quando uma pessoa tenta mudar o relatório que tem que fazer para entregar a alguém. Ela muda tudo pensando no que ela mesma acha melhor, sem ao menos verificar o que o outro quer no relatório ou o que é importante ver no relatório e, muitas vezes, depois de muito trabalho, acaba fazendo um relatório ineficaz.

Talvez por isso que se diga que "de boa intenção o inferno esteja cheio".
As boas intenções efetivamente não importam, o que importam são as boas realizações que produzem algo verdadeiramente bom ao outro!

Encolher o ego e ouvir mais é uma solução produtiva.
Ouvir mais, perguntar mais, conhecer mais o outro e os seus anseios pode resultar melhor compreensão para suas ações produtivas!

É claro que você é o maior responsável pelo seu sucesso, é claro que devemos compartilhar e colaborar. E para isso, retirarmo-nos do centro das atenções é produtivo também. Você não tira sua atenção do que você quer, mas inclui o outro nela!

Querer melhor e evoluir é extremamente louvável e somente conseguirá isso se souber a partir da visão do outro, o que se deve melhorar.
Analise o quanto você diz "eu quero" versus o quanto você pergunta "o que você quer (ou precisa)?"

Se você não souber o que é importante ao outro, como poderá fazer algo para que o outro julgue que você seja importante?
Como poderá ser respeitado pelo seu chefe, por exemplo, se você não souber o que ele quer de você?
Como poderá agradar seu filho, se não souber o que ele quer da vida? Como poderá ajudar alguém numa ação social, se não souber o que os outros estão necessitando?

Não digo para se comprometer com os outros, mas sugiro que se envolva mais! Ouça mais! Dê mais atenção do que recebe! E um dia merecerá e receberá mais atenção e respeito do que hoje!

Nosso sucesso depende de bons relacionamentos e quanto mais gostarem de se relacionar conosco, mais sucesso teremos.

Faz sentido?

Querer, merecer ou Precisar?

Certa vez vi uma pessoa perguntar:
- Qual é a diferença entre 'querer', 'merecer' e 'precisar'?
E fiquei pensando a respeito...

Querer é quando a pessoa toma a decisão sincera e honesta de que algo deva ser dela. Pode ser um objeto, um sentimento ou uma situação. A querência deriva de um gosto. É uma decisão autodeterminada. Quando queremos, percebemos isso por um sentimento e não depende do nível de utilidade disso, a não ser pelo fato de responder a um gosto ou desejo. Um sonho, uma esperança ou mesmo a fé demonstram uma querência.

Merecer é o resultado de ter feito algo que possa ser retribuído  Essa retribuição é o efeito lógico de acordo com o que a pessoa fez. Isto tem relação com a lei da causa e efeito. O merecimento é uma reação no sentido contrário da ação. Merecer depende do que a pessoa realizou, ou seja, do que ela tornou real na sua vida ou na vida dos outros. Uma pessoa pode merecer algo, mesmo que ela nem queira isso. A pessoa pode merecer algo que seja bom independente de ela querer isso ou não, assim como ela pode merecer algo que seja ruim, mesmo que ela não queira isso.

Precisar é quando uma situação deva ser resolvida e dependa de algo. Esse algo é o que a pessoa precisa. Isso pode ser um objeto, um sentimento, uma emoção, um conhecimento, uma situação ou mesmo um conceito. Precisar não depende do autodeterminismo da pessoa. Ela pode precisar de algo mesmo sem querer isso ou tampouco merecer.

Então o melhor seria que quando precisarmos de algo, queiramos isso para que tenhamos mais determinação para conseguir. E vale lembrar que a solução estará muito embasada no que merecemos.
Portanto, preste atenção às suas ações e atitudes hoje, pois elas definirão seu merecimento de amanhã e depois, não adiantará chorar por não alcançar aquilo que queira ou precise!

Faz sentido?

FUNCIONÁRIO ou COLABORADOR?!

Sabe o que é um FUNCIONÁRIO?
Alguém que funciona!
Sabe o que é um COLABORADOR?
Alguém que colabora!
Se alguém na sua equipe não funciona, se ele ou ela não colabora, sabe o que este alguém é?
Um BURACO NEGRO!
O pior é que esse buraco negro, na gigantesca enormidade da maioria das vezes está camuflado, disfarçado, escondido, encoberto.
Alguém que não funciona pode até ser um empregado, mas se realmente não funciona, este não é um funcionário, é um encosto...
Fica ali encostado...
É um buraco negro...
Uma curva de rio...
 
As coisas chegam até ali e param, somem, misteriosamente desaparecem!

Chego a imaginar que deveria ser abolido o direito de funcionários terem gaveta...
Se você abrir a gaveta de um buraco negro é possível encontrar uma outra dimensão...
As coisas pulam lá de dentro. Saem projetos parados, documentos perdidos, cartas e faxes que todos acreditavam nunca ter chegado à empresa, ratos e escorpiões...
Se alguma coisa misteriosamente para ou some na sua empresa, então certamente existe ai um buraco negro. A pessoa pega algo e puff, este algo para ou some.

Um buraco negro é camuflado geralmente por dois tipos de disfarces:
1. O véu dos discursos eloquentes sobre o trabalho em equipe e a assunção das responsabilidades, ou
 
2. A compaixão vitimista dos famosos "eu tentei", "eu quero ajudar", "pode deixar que faço" ou mesmo aquele silêncio sepulcral.
Ambos os disfarces são rapidamente descobertos se forem avaliados os reais resultados práticos da produção esperada e desejada das pessoas.
O buraco negro entrega, produz, realiza pouco daquilo que lhe é esperado.
Pode, até mesmo, estar ajudando os outros, mas no final a sua real responsabilidade é deixada de lado com essa desculpa de estar ajudando "todo mundo".
No Universo de uma empresa existem as reais estrelas que dão brilho à equipe, mas quando uma delas perde o brilho pode se tornar apenas uma estrela sem brilho ou, infelizmente, pode continuar tendo alguma força, mas agora sem brilho, se torna um buraco negro com aquela primeira camuflagem dos discursos eloquentes.
Parece que muita gente esquece que sucesso no passado não garante sucesso no futuro e não adianta ficar vivendo com os resquícios do brilho que não existe mais...
 
O que importa é o que se está produzindo ou realizando hoje em dia!

Realizar é tornar algo real e, para brilhar, esse algo deve ser útil a alguém e deve ser uma resposta às expectativas daquilo que é esperado quanto às responsabilidades de quem está realizando isso.
Se você não quer ser um buraco negro, saiba exatamente o que esperam, profissionalmente, de você e realize isso!
Se você é um líder que tem em sua equipe um buraco negro, você tem 3 ações sequenciais para reverter essa situação:
1. Instruir. Deve-se capacitar a pessoa que é um buraco negro naquilo que ela deve saber para fazer, produzir e apresentar o que se espera dela.
2. Transferir. Se mesmo depois de instruído, o buraco negro não muda, mas ainda tem um algo que interessa à equipe ou à empresa, então você muda o buraco negro, dando outras responsabilidades diferentes ou mudando ele de posto ou setor e volta ao passo anterior nesta nova realidade.
3. Se nada disso fizer o buraco negro deixar de ser um buraco negro, ou seja, se esse funcionário não passar a funcionar, então somente resta uma opção válida à manutenção da perpetuação da empresa: De uma forma polida pode-se dizer que a sugestão é colocar essa pessoa disponível no mercado de trabalho. Em outras palavras, livre-se dela!

Os buracos negros roubam nossa energia, nosso entusiasmo, nossa produtividade. Cada um buraco negro exige a existência de várias outras pessoas, ou de muitas parcelas de atenção de muitas outras pessoas, para que algo de útil se torne real. Isso é algo que deve ser eliminado, seja instruindo, transferindo (e instruindo na nova tarefa) ou descartando.
Acabe com os buracos negros e sua equipe duplicará o entusiasmo e a produção!
Produzir e prosperar... Nada menos que isso importa!
Faz sentido?

Aprenda a viver sem estresse e com sucesso

Andersom Bontorim é entrevistado por Ralph Peter no programa "Livros em Revista" da ClicTV no Portal UOL.

PARTE I:





PARTE II: